Saiba tudo sobre a Síndrome do Abandono em cães, quais as causas e o que fazer para aliviar essa ansiedade nos pets.

Todos os donos de pet sabem que seus animais são muito dependentes deles, seja pela comida, pelo abrigo ou pelo atenção.

Mas quando essa dependência afetiva é demais, o cão pode sofrer com a separação por conta do convívio intenso com o tutor. O cãozinho pode ficar agitado e nervoso, sofrendo com a solidão e o “abandono” do tutor. Isso são um dos indícios da síndrome do abandono em cães

Síndrome do Abandono em cães: como lidar
Cão com expressão triste, deitado no chão sob um lençol cinza. Crédito da foto: Freepik

Síndrome do Abandono em cães: Mas como um cão passa a ter essa síndrome?

É aí que está… Tudo começa com a partida e a chegada do dono na casa, pois geralmente o dono se despede de um filhote afetivamente e quando chega, o dono também brinca com ele. Às vezes, a primeira coisa que faz é pegar o cão no colo e agradá-lo com muita intensidade.

O cão não tem conhecimento de tempo. Isto é, ele não sabe o que são 10 minutos ou 10 horas, mas sabe que assim que seu dono chegar em casa ele irá ganhar muito carinho. E isso o deixa com uma ansiedade enorme, gerando assim a Síndrome do Abandono em cães.

Com a evolução da doença, o animal passa a não permitir que seu dono saia de casa. Ao menor sinal que o seu tutor irá sair, como trocar de roupa, ou quando dá tchau, o pet quer morder o dono – obviamente para que ele volte e lhe dê carinho -, mas isso é feito com muita intensidade na forma de latidos, pulos e mordidas também.

Síndrome do Abandono em cães: como lidar
Cachorro beagle com olhar triste está no colo de sua dona e olha por cima do ombro. rédito da foto: Freepik

Com a chegada do dono, o cão passa então a latir intensamente e a pular nele, pois aquela é sua hora, exclusivamente sua com seu dono. E, com o passar do tempo, o pet entra em estado de alerta tentando identificar o som do carro chegando, bem como o cheiro de seu dono ou qualquer outro sinal que indique que ele está chegando.

Tudo isso cria um estado de ansiedade que o leva a ter sintomas como: tremores, salivação, incontinência urinária e fecal, desmaios e até convulsões nos casos mais graves.

Além disso, muitos cães passam a ter outros comportamentos viciosos quando estão sozinhos. Por exemplo: se recusar a comer sozinho, perseguir o próprio rabo e até mesmo destruir ou morder objetos, como sofás, sapatos, etc. Essa é a maneira que eles encontram para se distrair, uma vez que o tutor não está ali.

Algumas raças estão mais propensas a desenvolver essa Síndrome do Abandono em cães, porém qualquer raça pode desenvolvê-la. O distúrbio é mais comum em cachorros labrador, border collie, bichon frisé, poodle to, pastor alemão e galgo italiano.

Além disso, cachorrinhos de qualquer idade podem ter, porém é mais comum em filhotes, já que tiveram de ser acostumados em uma nova rotina e lar, quando saem de perto da mãe e irmãos.

Síndrome do Abandono em cães: como lidar
Cachorro triste olhando pela janela. Foto em preto e branco. Crédito da foto: Freepik

Síndrome do Abandono em cães: O que fazer então?

É simples: toda vez que chegar em casa, o dono deve ignorar o cão. Isso mesmo, não deve nem olhar para ele. Pois só assim ele irá se acostumar que, quando o seu dono chega, nada muda e não terá mais essa ansiedade da chegada.

Logo após o dono chegar em seu lar, quando o cão parar de pular e quando já tiver se passado uns 15 ou 20 minutos, aí sim o dono está liberado e deve se sentar em algum local confortável e calmamente, sem agitar seu cão, chamá-lo para uma brincadeira ou momento de carinho.

Este é o tratamento desta Síndrome do Abandono em cães, porém em casos mais graves o tutor deve procurar um  médico veterinário para que ele possa medicar o animal com algum remédio ou mesmo um floral (que é um remédio mais natural) e, dessa forma, ajudar o cãozinho na recuperação de sua ansiedade.

Em outras palavras, o ideal é não exagerar na despedida e deixar o animal o mais seguro possível! Nada de fazer festa antes de sair ou ao chegar em casa, ok? Isso faz com que o cachorro fique ainda mais ansioso!

Síndrome do Abandono em cães: como lidar
Buldogue francês no colo de sua dona olhando triste. Crédito da foto: Freepik

Outras formas de ajudar na ansiedade gerada pela separação é distribuir petiscos pela casa, conversar com o cão naturalmente, bem como se ausentar do ambiente de vez em quando e voltando logo em seguida, para mostrar ao cão que é normal àquela situação de saída.

Castigos e punições negativas não são recomendados como tratamento, trazendo apenas medo e agressividade do cão para com o punidor. E tenha em mente que ignorar o cão por um tempinho não fará com que o animal goste menos de você ou algo assim. Apenas diminuirá a dependência extrema, permitindo que o cão tolere melhor a sua ausência, tornando-se assim mais equilibrado e feliz.

Depois de alguns dias seguindo essa e outras orientações, o animal irá diminuir a ansiedade.

Agora que você já sabe tudo sobre a Síndrome do Abandono em cães e como tratá-la, veja também como e porque criar um cão de forma independente.

Separei mais esses conteúdos para você:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here