Esse é um assunto muito polêmico e alvo de muitas críticas. Será que é correto e moral implantar um microchip num ser vivo? A tecnologia tem avançado bastante e hoje é possível comprar até coleiras com GPS. O problema é que mesmo sendo um método muito eficaz ainda não é infalível. Muitos donos, pelo medo de perder o seu amigo para sempre, acabam optando pelo microchip.

Saiba tudo sobre o microchip para cachorros

O que é o microchip para cachorros

O microchip é um pequeno circuito eletrônico, que por ser, do tamanho de um grão de arroz torna possível a sua implantação sob a pele. Nele, são colocadas todas as informações referentes àquele cachorro através de um código exclusivo e que não pode ser alterado. Em algumas situações o dono é obrigado a colocar o microchip:

  • Vai para a Europa ou Japão? Então a implantação do microchip será necessária, já que nesses países o uso é obrigatório;
  • Pessoas que criam raças específicas e que estão associadas a grupos como a AKC, entre outras, devem implantar o microchip no cachorro;

Dica: Aprenda a Fazer Caminhas Para Cães.

Como o microchip é implantado

Saiba tudo sobre o microchip para cachorros

Hoje em dia não há restrições para colocar o microchip nos animais, sendo que pode ser em qualquer raça, porte ou peso. O aconselhável é que seja implantado somente depois de 2 meses de vida, mas alguns donos optam por colocá-lo bem mais cedo, a partir do décimo dia de vida. Normalmente, não acontecem reações adversas, mas pode ser que o organismo do seu bichinho rejeite o microchip, identificando como um agente nocivo e que deve ser expulso.

A implantação é feita na região da nuca para facilitar a identificação quando necessário. Não é um procedimento cirúrgico como muitos pensam, não sendo preciso o uso de anestesia. O microchip é colocado com o auxílio de uma seringa muita parecida com a de uma vacina comum. Ele não emite nenhum tipo de energia até que seja colocado em contato com o leitor e possui durabilidade de 100 anos.

Saiba tudo sobre o microchip para cachorros

Como funciona o microchip para cachorros?

Um leitor específico para ser usado com esse microchip contém um scanner que consegue identificar um sinal de ondas de rádio de baixa frequência emitido pelo chip. As informações cadastradas aparecem no visor do leitor. Os dados do animal são cadastrados no momento da compra do microchip, na própria empresa que o comercializa. Eles possuem uma base de dados onde as informações ficam guardadas indefinidamente.

Curiosidade: Conheça as 10 raças de cachorros mais caras do mundo.

Quais as vantagens do microchip para cachorros?

Saiba tudo sobre o microchip para cachorros

Ao contrário das coleiras com GPS, os microchips não precisam ser carregados, pois só ficam ativos quando passam pela leitora. Quando o cachorro fugir é impossível que o microchip se perca durante as caminhadas dele pelas ruas. Além disso, não precisa de manutenção e vai funcionar por toda a vida do seu cãozinho.

Quais as desvantagens do microchip para cachorros?

Primeiro, não há um banco de dados único do Brasil. Isso pode dificultar um pouco na hora de procurar pelo animal e obter as informações pelo leitor. Assim, é necessário que você faça o cadastro em dois grandes bancos de dados que temos hoje no país. Além do mais, não é em toda cidade que possui alguém com uma leitora de microchip.

Saiba tudo sobre o microchip para cachorros

As coleiras com GPS ainda levam vantagem em relação aos microchips. Isso porque estes não conseguem informar para onde o animal foi, já com o GPS é possível refazer todo o trajeto que o seu cachorro fez, sendo mais rápido de encontrá-lo dessa forma. O microchip só funciona para identificar o cão depois que ele já foi encontrado por alguém.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here